XXX FEMUSOJA
RESERVA DO VOTOURO
OITO INDÍGENAS SÃO DENUNCIADOS PELO MPF POR CRIMES PRATICADOS NA RESERVA DO VOTOURO.
As investigações iniciaram em março deste ano, quando um conflito na reserva deixou um índio morto e outras oito pessoas feridas.
15/10/2018 15h54
Por: Gilmar Machado
Fonte: *G1
Foto:Polícia Federal/Divulgação
Foto:Polícia Federal/Divulgação

O Ministério Público Federal de Erechim denunciou nesta segunda-feira (15) oito indígenas por crimes praticados na Reserva Votouro, no interior de Benjamin Constant do Sul. Elizeu Garcia (ex-cacique), Alípio Lopes (ex-vice-cacique), Ade de Paula, André de Oliveira, Judas Lopes, Luis Carlos Farias, e Gilberto Sipriano são acusados de homicídio, tentativa de homicídio e cárcere privado. 

As investigações iniciaram em março deste ano, quando um conflito na reserva deixou um índio morto e outras oito pessoas feridas. Em agosto, em operação envolvendo a Polícia Federal, a Brigada Militar e o Exército, quatro indígenas foram presos. 

De acordo com a denúncia do MPF, na noite do dia 30 de maio, o carro em que Natan, de 21 anos, sobrinho do prefeito da cidade, Itacir Hochmann, e Hércules Turra estavam foi confundido pelos indígenas com o veículo de um inimigo político. Os índios teriam perseguido os dois. 

Natan foi morto com um tiro na cabeça e Hércules conseguiu fugir pela mata depois de perder o controle do carro. 

Horas depois, Itacir Hochman foi até a reserva. Os índios atiraram contra ele e, mesmo o reconhecendo, torturam Itacir e o mantiveram em cárcere privado. Ele foi ferido na cabeça com um tiro e libertado somente no dia seguinte, pela manhã. 

André de Oliveira, Ronaldo Adriano Cardoso Tedesco e Elizeu Garcia foram denunciados por homicídio consumado e tentado, duplamente qualificados (motivo torpe e meio que dificultou a defesa das vítimas) contra Natan Coser Hochmann e Hércules Turra. 

Elizeu Garcia e André de Oliveira, junto com Ade de Paula, Judas Lopes, Luis Carlos Farias e Gilberto Sipriano, também foram denunciados pela tentativa de homicídio contra Itacir Hochman e por terem mantido ele em cárcere privado.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.