Quarta, 19 de dezembro de 2018
55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413
Saúde

07/08/2018 ás 15h57

Gilmar Machado

Redentora / RS

GARANTIR O RETORNO REGULAR DE DOADORES É DESAFIO PARA BANCOS DE SANGUE
Silvana Alvanoz há dois anos tomou a decisão de fazer a diferença na vida das pessoas
GARANTIR O RETORNO REGULAR DE DOADORES É DESAFIO PARA BANCOS DE SANGUE
Foto: Juliana Baratojo/Palácio Piratini

Há dois anos, Silvana Alvanoz tomou uma decisão: fazer a diferença na vida dos outros. Para isso, ela tem, literalmente, dado o sangue. "Quando a gente vem aqui, eles explicam que o teu sangue pode salvar até quatro vidas. Então, imagina a satisfação de saber que tu podes salvar outras vidas. Isso não tem valor, é demais. Eu até me emociono de falar", conta a assistente social de 49 anos.


A cada noventa dias, ela sai de Alvorada, onde mora, e vai até o Hemocentro do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, para doar sangue. No caso dos homens, o intervalo obrigatório é de sessenta dias. Encontrar voluntários como Silvana, que fazem da doação uma rotina e não apenas algo esporádico, é o grande desafio dos profissionais da saúde.


Segundo a coordenadora da instituição, Maristela Teixeira, a vantagem dos doadores fidelizados é que eles já sabem os cuidados que precisam ter (veja abaixo quem pode doar). "Isso é muito importante porque daí nós teremos um doador preparado para fazer a doação, alguém que já sabe o que pode e o que não pode fazer antes da coleta e que já conhece a nossa rotina. Isso é fundamental porque o sangue tem validade. As plaquetas, por exemplo, duram só cinco dias. Então, nós precisamos de regularidade, precisamos de doadores todos os dias, e não apenas quando se faz campanha. Isso vai garantir que o nosso estoque esteja sempre adequado para atender aos hospitais", explica Maristela.


Chegando ao hemocentro, o voluntário faz um cadastro, passa por uma triagem clínica e uma rápida entrevista. Se for aprovado, vai para a coleta propriamente dita e, em seguida, recebe um lanche. O processo todo leva em torno de uma hora. Todos os tipos sanguíneos são bem-vindos, mas o O negativo é considerado mais raro por ser o doador universal, aquele que todos os pacientes podem receber.


Doadores passam por triagem clínica e, após coleta, recebem lanche para reposição energética
Doadores passam por triagem clínica e, após coleta, recebem lanche para reposição energética - Foto: Juliana Baratojo/Palácio Piratini


Rede gaúcha tem oito hemocentros


Além de Porto Alegre, o Estado tem hemocentros em Cruz Alta, Passo Fundo, Pelotas e Santa Maria. As cidades de Caxias do Sul, Santa Rosa e Alegrete também possuem, mas a gestão é municipal. Os oito locais compõem a chamada hemorrede e, juntos, recebem em média 415 doadores por dia. Parece bastante, mas os hemocentros precisam abastecer 240 hospitais gaúchos. A coordenadora da rede, Helena Cunha, lembra que uma bolsa de sangue pode ajudar até quatro pacientes. "A gente trabalha com o uso racional do sangue, ou seja, só recebe quem realmente precisa. O problema é que muitos pacientes dependem disso, principalmente os pacientes com câncer, com leucemia, que fazem quimioterapia e precisam de reposição. Além disso, temos as cirurgias cardíacas, que hoje estão aumentando bastante, e as vítimas de grandes traumas, aqueles acidentes que geram uma grande perda de sangue. São os principais usuários", afirma Helena.


Para incentivar a doação, os hemocentros da capital e do interior oferecem um serviço especial para empresas que juntam um grupo de funcionários dispostos a doar: vans que buscam os voluntários na empresa e levam ao hemocentro. É preciso ligar com antecedência e agendar (veja abaixo os endereços e os telefones dos hemocentros).


E vale lembrar que a solidariedade é uma via de mão dupla. O carpinteiro Márcio de Oliveira Santos mora em Viamão, mas foi até a capital nesta quinta-feira (02) para fazer um gesto que, no passado, salvou sua vida. Em 2009, ele precisou fazer uma cirurgia. "É a primeira vez que eu vim doar sangue. Quando eu precisei, quando eu fui operado, bastante gente doou pra mim. Agora, eu vim a pedido de uma pessoa que vai se operar também. Eu vim ajudar. Estou retribuindo", conta, com um sorriso de gratidão.


Além da capital, Estado tem hemocentros em Cruz Alta, Passo Fundo, Pelotas e Santa Maria
Além da capital, Estado tem hemocentros em Cruz Alta, Passo Fundo, Pelotas e Santa Maria - Foto: Juliana Baratojo/Palácio Piratini


O que é preciso para doar


- Estar em boas condições de saúde;


- Apresentar documento oficial de identidade com foto;


- Ter entre 16 e 69 anos, sendo que os menores de 18 anos deverão estar acompanhados pelos pais ou responsável legal e que o limite para a primeira doação é de 60 anos;


- Pesar no mínimo 50 kg;


- Não estar em jejum e evitar alimentação gordurosa antes da coleta;


- Ter dormido pelo menos 6 horas antes da doação;


- Não ter ingerido bebidas alcoólicas 12 horas antes da doação;


- Não fumar pelo menos duas horas antes da doação.


Hemocentros oferecem serviço especial para incentivar novos doadores
Hemocentros oferecem serviço especial para incentivar novos doadores - Foto: Juliana Baratojo/Palácio Piratini


Onde doar


Hemocentro do Estado do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 3722
Porto Alegre - RS 
Telefone: (51) 3336-6755 
Segunda a sexta-feira, das 8h às 18h


Hemocentro Regional de Alegrete
Rua General Sampaio, 10
Alegrete - RS 
Telefone: (55) 3426.4127
Horário de funcionamento:
Segunda, terça, quinta e sexta-feira: das 7h30min às 14h30min
Quarta-feira: das 8h às 14h


Hemocentro Regional de Caxias do Sul
Rua Ernesto Alves, 2260
Caxias do Sul - RS 
Telefone: (54) 3290.4536 / 3290.4543
Segunda a sexta-feira: das 8h30min às 17h
Sábado: das 8h às 12h


Hemocentro Regional de Cruz Alta
Rua Barão do Rio Branco, 1445
Cruz Alta – RS
Telefone: (55) 3326.3168
Segunda a sexta-feira: das 7h30min às 11h30min


Hemocentro Regional de Passo Fundo
Av. Sete de Setembro, 1055
Passo Fundo – RS
Telefone: (54) 3311.5555
Segunda a sexta-feira: das 8h às 13h30min
Sábados: das 7h às 11h (com agendamento prévio pelo (54) 3311.1427)


Hemocentro Regional de Pelotas
Av. Bento Gonçalves, 4569
Pelotas – RS
Telefone: (53) 3222.3002
Segunda a sexta-feira: das 8h às 18h
Primeiro sábado do mês: das 8h às 13h


Hemocentro Regional de Santa Maria
Alameda Santiago do Chile, 35
Santa Maria – RS
Telefone: (55) 3221.5262 / 3221.5192
Segunda a sexta-feira: das 8h às 14h 
3° sábado do mês: das 8h às 12h


Hemocentro Regional de Santa Rosa
Rua Boa Vista, 401
Santa Rosa – RS
Telefone:(55) 3513-5140
Segunda a quinta-feira: das 7h30min às 11h e das 13h30min às 17h


Tire dúvidas e saiba quais são os impedimentos para doar

FONTE: Texto: Vanessa Felippe Edição: Gonçalo Valduga/Secom

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium