Segunda, 23 de julho de 201823/7/2018
55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413
Banner 1
BRASIL
Presidente do TRF-4 decide que Lula deve continuar preso
Desembargador Thompson Flores afirma que pré-candidatura do petista não é fato novo
Josoel Silvestre Redentora - RS
Postada em 08/07/2018 ás 20h27 - atualizada em 09/07/2018 ás 11h12
Presidente do TRF-4 decide que Lula deve continuar preso

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em comício no dia 16/03 de 2018 - Paulo Whitaker / REUTERS

SÃO PAULO - O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) decidiu que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve continuar preso. O desembargador Thompson Flores afirmou que o caso compete mesmo ao relator do processo, Gebran Neto, e não ao plantonista Rogerio Favreto. Flores alega que a pré-candidatura de Lula não é um fato novo, como argumentou Favreto.


"Rigorosamente, a notícia da pré-candidatura eleitoral do paciente é fato público/notório do qual já se tinha notícia por ocasião do julgamento da lide pela 8ª Turma desta Corte. Nesse sentido, bem andou a decisão do Des. Federal Relator João Pedro Gebran Neto".


O desembargador considerou que, como há um conflito de competência entre os dois desembargadores, cabe a ele decidir qual decisão valeria, se a do plantonista, o desembargador Rogério Favreto, ou do relator, João Pedro Gebran Neto.


Flores afirmou que não há como negar que o desembargador plantonista não tinha poder para esse tipo de decisão e que, portanto, a decisão do relator deveria ser a definitiva.


"Determino o retorno dos autos ao Gabinete do Des. Federal João Pedro Gebran Neto, bem como a manutenção da decisão por ele proferida", disse, em referência à decisão que manteve Lula na prisão.


O deputado federal Wadih Damous (PT), um dos autores do pedido de habeas corpus, informou que a defesa de Lula vai contestar a decisão de Thompson Flores. Segundo o parlamentar, o presidente do TRF-4 não poderia interferir na controvérsia entre Gebran Neto e Rogério Favreto. Os advogados do ex-presidente vão se reunir para decidir que caminho jurídico será tomado a partir de agora.


— A decisão do Thompson Flores é um absurdo, completamente ilegal. A competência do desembargador plantonista só poderia ser revogada por uma decisão colegiada ou um tribunal superior. Isso mostra a anarquia do poder judiciário — disse o parlamentar.

FONTE: O Globo
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
imprimir
108

© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados

contador gratuito

Site desenvolvido pela Lenium