Quarta, 17 de outubro de 2018
55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413
Especiais

09/05/2018 ás 02h13

Gilmar Machado

Redentora / RS

Famurs se mobiliza em defesa dos Hospitais de Pequeno Porte
O presidente eleito para liderar a comissão dos HPPs junto a Famurs foi o prefeito do município de Braga, Carlos Alberto Vigne
Famurs se mobiliza em defesa dos Hospitais de Pequeno Porte
A maior preocupação dos prefeitos é com a manutenção e a falta de recursos para os Hospitais de Pequeno Porte. (Foto: Divulgação/Famurs)
A Famurs realizou, nesta terça-feira, 8, reunião com a representação de prefeitos das 27 Associações Regionais para tratar sobre os Hospitais de Pequeno Porte (HPPs), na sede da Federação. De acordo com o presidente da entidade, Salmo Dias de Oliveira, é importante uma reavaliação do governo sobre o tema. “A saúde é o bem maior de qualquer cidadão e deve ser prioridade do governo do Estado em dar subsídios e incentivos para a descentralização dos serviços, diminuindo a ambulancioterapia e facilitando o acesso da população aos serviços hospitalares”, concluiu o dirigente.

 

Durante o encontro foram abordados diversos temas para avaliação dos Hospitais de Pequeno Porte, que possuem menos de 50 leitos, considerando que são de extrema importância para o acesso qualificado na atenção básica e nos serviços de média complexidade. Foi constituída, ainda, uma comissão de prefeitos para tratar sobre o tema. O presidente eleito para liderar a comissão dos HPPs junto a Famurs foi o prefeito do município de Braga, Carlos Alberto Vigne. Além dele, os prefeitos de Lavras do Sul, Savio Johnston Prestes, Fontoura Xavier, José Flávio Godoy da Rosa, Sobradinho, Luis Affonso Trevisan, Chiapetta, Eder Luis Both, e Estância Velha, Maria Ivete de Godoy Grade, são integrantes da comissão.

 

Segundo o assessor técnico da Famurs, Paulo Azeredo Filho, a maior preocupação dos prefeitos é com a manutenção e a falta de recursos para os Hospitais de Pequeno Porte, pois algumas portarias e resoluções publicadas pelo Governo do Estado merecem uma discussão mais profunda e específica para cada região considerando situações econômicas, sociais e de humanização no atendimento. Lembrou, ainda, que é importante ressaltar que o  Estado possui dívida superior a R$ 500 milhões com os programas municipais de saúde, além de atrasos no repasse mensal para os hospitais contratualizados, causando um déficit maior aos cofres municipais. “Alguns municípios já estão arcando com mais de 40% de seu orçamento em Saúde, acima do preconizado pela Constituição Federal, para manter, também, os hospitais abertos” afirmou Azeredo.

FONTE: Ascom/Famurs

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium