Terça, 15 de janeiro de 2019
55996230597 -- 55999899863 -- 55997318413
Mundo

12/01/2019 ás 10h37

Josoel Silvestre

Redentora / RS

Presidente do Congresso venezuelano anuncia que vai assumir a presidência do país
Juan Guaidó afirma que a medida, informada um dia após a posse de Maduro, busca convocar um processo de "eleições livres e transparentes"
Presidente do Congresso venezuelano anuncia que vai assumir a presidência do país
Guaidó é um dos principais opositores do governo de Nicolás Maduro. Foto: Yuri CORTEZ / AFP

O presidente do Congresso venezuelano, Juan Guaidó, anunciou que vai assumir a presidência do país, não reconhecendo o novo mandato de Nicolás Maduro, que tomou posse na quinta-feira (10). Guaidó afirmou que vai comandar a Venezuela com o apoio da população e do Exército para "convocar uma processo de eleições livres e transparentes que facilitem uma transição pacífica e democrática no país". Guaidó afirma que a decisão segue a Constituição do país:


"Assumindo o dever imposto por nossa constituição em seu artigo 333, que obriga todo venezuelano, com ou sem autoridade, a lutar para restaurar a ordem constitucional. Segundo o presidente da Assembleia Nacional, o único poder eleito e legítimo para representar o povo venezuelano, me atenho à Constituição e os artigos 233, 333 e 350, que me dá a legitimidade para o exercício da Presidência da República para realizar eleições livres e convocar o povo, as Forças Armadas e a comunidade internacional para torná-lo uma realidade. Precisamos da força de todos para que possamos conseguir o fim da usurpação e eleições livres", escreveu o parlamentar.


Guaidó pediu apoio da população e da comunidade internacional para assumir o comando do Executivo da Venezuela. Ele convocou o povo venezuelano para uma "grande mobilização nacional", que será realizada no dia 23 de janeiro em todo o país.


A Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou, na quinta (10), uma resolução para declarar ilegítimo o segundo mandato de Maduro. A resolução, aprovada por 19 votos a favor, seis contra, oito abstenções e uma ausência, declara a "ilegitimidade do novo mandato de Nicolás Maduro que se iniciou em 10 de janeiro".


A medida é um chamado à "realização de novas eleições presidenciais com todas as garantias necessárias para um processo livre, justo, transparente e legítimo", estipula a resolução. Entre os países que votaram a favor estão Argentina, Estados Unidos, Colômbia, Chile, Equador, Canadá e Brasil. Venezuela, Nicarágua, Bolívia e alguns países caribenhos votaram contra, e entre os países que se abstiveram, o México.


Crise humanitária


Sucessor de Hugo Chávez — morto em 2013 — Maduro chega ao segundo mandato em meio a uma forte crise econômica e humanitária, com registros de hiperinflação e desabastecimento de alimentos e combustíveis. Milhões de venezuelanos têm seguido para os países vizinhos, fugindo do desemprego e da fome.


Maduro foi eleito em maio do ano passado, com 67% dos votos válidos, mas o pleito foi marcado por denúncias de fraude e por uma abstenção de 54%.


O presidente venezuelano rebate as acusações, dizendo que as disposições constitucionais foram cumpridas e que seu mandato é legítimo.


— Estou de pé para democraticamente tomar as rédeas de nosso país em direção a um destino melhor — afirmou. — Aqui estou, assumindo a Presidência da República para o segundo período, por ordem do povo.

FONTE: Gaúcha ZH

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium